GVces e BVRio iniciarão simulado de mercado de carbono

São Paulo, 10 de março de 2014 – O Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVCes) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) e a bolsa de valores ambientais BVRio abrirão, na próxima sexta-feira (14), às 11h, o primeiro simulado de mercado de carbono cap and trade após a parceria firmada entre as instituições, em fevereiro. A operação da simulação, via sistema eletrônico, contará com um leilão inicial que ofertará parte do estoque de permissões de emissão previsto para 2014 (cap) para as 20 companhias já envolvidas na iniciativa. O leilão será comandado pelo comitê gestor do SCE-EPC (Simulado de Comércio de Emissões no âmbito da Plataforma Empresas pelo Clima), composto por membros do GVCes.
Em paralelo, as mesmas empresas poderão negociar permissões de emissão ou offsets via mercado secundário. São elas: AES Brasil; Anglo American; Banco Citibank; Banco do Brasil; Braskem; CCR; Sanepar; Camargo Corrêa; Duratex; EDP; Furnas; Grupo Abril; Grupo O Boticário; Itaú Unibanco; Klabin; Raízen; Suzano Papel e Celulose; TAM; Telefonica Vivo; Vale. “O exercício estará apoiado nos dados reais de emissões das empresas, fornecidos pelo Programa Brasileiro GHG Protocol”, esclarece Renato Armelin, coordenador do programa Sustentabilidade Global do GVces.
Um mercado de carbono do tipo cap and trade busca restringir a quantidade de gases de efeito estufa (GEE) de um setor ou da economia de uma região ou país dentro de um limite preestabelecido (cap). O período de negociações do SCE-EPC seguirá até o final de novembro, tendo como propósito oferecer ao setor empresarial uma experiência prática e realista sobre o funcionamento desse tipo de instrumento econômico. “Por se tratar de uma experiência inédita no Brasil, espera-se que todas as instituições envolvidas aprendam muito sobre o funcionamento e o potencial do mercado de carbono”, avalia Mario Monzoni, coordenador do GVces.
A iniciativa é vista também como uma oportunidade de avanço das discussões sobre como enfrentar as mudanças climáticas no Brasil. “Ao fazer a simulação, espera-se que as empresas estejam mais preparadas para dialogar com o governo e a sociedade sobre um futuro mercado de carbono brasileiro”, explica Beatriz Kiss, coordenadora do Programa Brasileiro GHG Protocol.
Para acompanhar os preços do mercado secundário basta acessar o linkhttp://www.bvrio.com .
Sobre o GVces
Criado em 2003, o Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP)  atua na formulação e acompanhamento de políticas públicas, na construção de instrumentos de auto-regulação e no desenvolvimento de estratégias e ferramentas de gestão empresarial para a sustentabilidade, no âmbito local, regional, nacional e internacional. Essa atuação acontece por meio de atividades: (i) de educação formal e informal; (ii) de pesquisa aplicada e publicações; (iii) de promoção do debate, mobilização e sensibilização da sociedade para o tema; (iv) de comunicação; (v) e de intercâmbio de experiências e informações, que disseminem conceitos e práticas de sustentabilidade em todas as suas dimensões. www.fgv.br/ces
Sobre a FGV-EAESP
Criada em 1954, a Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) foi a primeira escola de administração fundada na América Latina e mantém uma longa tradição na formação de líderes na área empresarial, governamental e acadêmica. Conhecida como um dos centros acadêmicos de maior prestígio nas áreas de Negócios e Administração Pública, a Escola se caracteriza pelo constante desenvolvimento de pesquisas e estudos pioneiros e pela vanguarda do conhecimento aplicado, divulgados em publicações e projetos realizados em seus diversos Centros de Pesquisas. Nos últimos anos, vários programas de seu portfólio de cursos foram listados em diversos rankings nacionais e internacionais. A FGV-EAESP se destaca como a Melhor Escola de Negócios no Brasil, com nota máxima na avaliação do MEC e como a 1ª instituição da América Latina e uma das poucas no mundo a obter a tríplice acreditação internacional de qualidade de ensino, que inclui o reconhecimento das seguintes agências: AACSB, EFMD e AMBA. www.fgv.br/eaesp
Sobre a BVRio
A bolsa de valores ambientais BVRio é uma associação formada para promover o uso de mecanismos de mercado para facilitar o cumprimento de leis ambientais brasileiras. Através da sua plataforma BVTrade, a BVRio apoia o desenvolvimento de mercados ambientais em todo o Brasil. A BVRio foi vendedora do Katerva Awards 2013, categoria Economia. Para saber mais, visite: www.bvrio.org e www.bvtrade.org